Sete razões para usar um jogo em treinamento

Flavio Yoshimura, Especialista em gamificação em treinamento

Apesar do grande interesse em gamificação e jogos para treinamentos, poucas pessoas sabem argumentar porque esta é a melhor escolha para promover o aprendizado de determinados assuntos nas empresas.

Pensando nisso, listamos 7 razões para te ajudar a explicar e decidir pelo uso de um jogo no seu treinamento:

1. Despertar interesse
Esta é uma forma muito eficaz de despertar interesse do seu público para o assunto que vai ser tratado. Em comparação com uma apresentação conceitual sobre o tema ou outras abordagens participativas de treinamento tradicionais, um jogo é infinitas vezes mais atrativo.  Até assuntos áridos, como segurança ou código de ética podem virar jogos interessantes.
“Até assuntos áridos, como segurança ou código de ética podem virar jogos interessantes.”

2. Diversão garantida

Esse é um ingrediente que engaja o participante na atividade. Vale a pena ir ao treinamento e desligar-se dos e-mails e do celular para participar de algo divertido. Quantas experiências no nosso horário de trabalho tem o poder de proporcionar boas risadas ao mesmo tempo que nos ensinam algo útil? Temas sérios (e a princípio chatos) como avaliação de competências podem ser trabalhados entre muita descontração e risadas.

Temas sérios como avaliação de competências podem ser trabalhados entre muita descontração e risadas.

3. Tornar a experiência de aprendizado memorável

A diversão faz com que essa experiência de aprendizagem se torne memorável, o que também contribui para a retenção e aplicação dos conhecimentos após o treinamento. As pessoas lembram dos momentos desafiantes e divertidos do jogo por dias e semanas, inclusive no reencontro com colegas ou adversários de jogos.

 

4. O fator interação social

Um jogo promove intensa interação social, contribuindo para fortalecer o vínculo do grupo e promover o trabalho em equipe, de forma tão ou mais intensa que outras metodologias de ensino. Na maioria dos jogos, cada jogador é na verdade o agrupamento de dois, três ou múltiplos participantes. Para responder, compartilham conhecimentos, discutem pontos de vista diferentes, trocam ideias, precisam chegar a um consenso. Acabam se conhecendo e aprendendo com o colega, pensam e tomam decisões conjuntas. Isso aproxima e fortalece o laço entre as pessoas. Em um time de líderes, tem um enorme valor em fortalecer os vínculos e aumentar a sinergia do grupo. Mas vale também para pessoas da mesma área, estagiários, trainees, time de vendas etc.

 

5. Mais aprendizado em menos tempo

Um jogo é uma forma mais eficiente de usar cada hora dos participantes dedicada ao treinamento. Aporta conceitos, provoca reflexões e proporciona mais insights por minuto do que as metodologias tradicionais. Isso ocorre porque mistura teoria e prática de forma intensa e dinâmica, requisitando o envolvimento do participante para decidir se o conteúdo está certo, errado ou demonstrar sua aplicação prática. Uma hora de jogo é suficiente para capacitar gestores a construírem planos de desenvolvimento individual  (PDIs) altamente certeiros.  Aliás, esse é um dos temas mais difíceis de produzir resultados satisfatórios nas organizações, mesmo após muitas horas de treinamento, não é mesmo?

 

6. Já vem com o storytelling

Um jogo estrutura e padroniza o storytelling de um tema entre os diferentes grupos, áreas e localidades de uma empresa.  Alguns assuntos são difíceis de montar uma narrativa coerente, instigante e envolvente. É o caso de valores organizacionais, em grande alta no momento. Os profissionais de RH querem muito trabalhar o tema mas não sabem como (a não ser projetando e lendo um a um no telão – sim, isso ainda acontece em muitos lugares!). Um jogo resolve esse nada insignificante desafio. Além disso, quando o treinamento envolve um grande número de participantes e turmas, o jogo elimina o risco de diferentes facilitadores promoverem o entendimento das mensagens-chave de formas diferentes. Cada instrutor pode e deve dar o seu toque e aplicar suas experiências ao tema, mas a estrutura e conteúdos principais estarão preservados.

 

7. Maior ROI (retorno sobre investimento)

Por fim, e não menos importante, jogos podem ser uma solução mais econômica para capacitar pessoas e oferecer um retorno sobre investimento (ROI) de treinamento superior. Um jogo sob medida certamente envolve um investimento tão ou mais alto do que uma abordagem tradicional de treinamento, e deveria oferecer resultados proporcionalmente superiores. Há boas empresas no mercado que desenvolvem jogos altamente customizados e para certos objetivos, como comunicar e promover o entendimento da estratégia da organização – é certamente a solução mais recomendada. Em outros casos, adquirir um jogo que pode ser aplicado quantas vezes, onde e quando a empresa quiser, se torna um investimento altamente vantajoso. Para isso, bastam profissionais de RH com um pouco de conhecimento prévio sobre o assunto e disposição para dominar as regras do jogo. O retorno será a satisfação dos participantes e o reconhecimento da organização, o que só trará benefícios para a sua carreira. Todos ganham!

Agora queremos saber: esse artigo foi útil? Quer saber mais sobre os benefícios de usar jogos em capacitações internas? Fale com a gente!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest

Share This